46636. Esse é o número de plantas com flores reconhecidas somente no Brasil, de acordo com o projeto “Flora do Brasil 2020”. E essa contagem só cresce. Estima-se que a cada ano sejam descobertas de 250 a 300 novas espécies, o que faz do país o mais florido do mundo. Só de orquídea, por exemplo, são mais de 3.500 espécies! Agora imagina se considerarmos as flores do mundo inteiro? Um número incontável dessas belezas que nos cercam por todos os lados.

Quando falamos em flores, logo pensamos em margarida, orquídea, gérbera, violeta, do campo… Mas diante desse número, sabemos que vai muito, muito além disso. Já ouviu falar, por exemplo, da menor flor do mundo? Ela se chama Galinsoga parviflora e é uma espécie de erva daninha com 1 milímetro de comprimento e 03, de largura. Do outro lado dessa régua, a mais conhecida dentre as gigantes é a Titan arum, que pode medir até três metros. Conhecida como Flor-cadáver, essa espécie desabrocha a cada seis ou nove anos e tem um cheiro muito ruim – provavelmente foi o que deu origem ao nome.

E sabia que nem toda primavera é sinônimo de nascimento de flores? A Corypha umbraculifera, uma espécie de palmeira hermafrodita do Sri Lanka, é um pouco preguiçosa e espera muitas primaveras para desabrochar: ela só floresce a cada 80 anos.

Falando em tempo, foram encontrados fósseis de rosas com mais de 25 milhões de anos. Diante dessa descoberta, muitos estudiosos acreditam que elas sejam mais antigas do que a própria espécie humana. E não é de hoje que nos encantam. Os romanos gostavam tanto dessas flores que usavam em quase todas as suas cerimônias e, mais que isso, plantavam mais rosas do que comida. Ainda hoje são as preferidas entre os apaixonados que querem demonstrar seu amor e também entre os chefs de cozinha, já que entram com frequência em receitas como sorvetes, geleias e doces.

Mas flor de comer? Sim, elas podem embelezar os pratos e também encantar o paladar. Algumas espécies liberadas no menu, além das rosas, são amores-perfeitos, begônias, jasmins, lavandas, petúnias, cravos e dentes de leão. Mas cuidado, não se deixe levar pela beleza somente. Algumas são venenosas e não caem nada bem no estômago, é o caso de azaléias, espirradeiras, narcisos e lírios do vale, entre outras. A dica é sempre se informar muito bem antes de arriscar.

Para os gregos, a flor preferida era a violeta. E na Idade média uma das mais populares era a calêndula e era usada como corantes de caldos, manteiga, queijo e bolos.

Flores carregam muita beleza, muita história, mas também muitos significados. Quando queremos expressar nosso amor, geralmente escolhemos as rosas, de preferência vermelhas. Para boa sorte e alegria, a mais procurada costuma ser o girassol. As margaridas carregam inocência, pureza e afeto, e as peônias representam felicidade conjugal e prosperidade. E assim por diante.

Podemos escolher as flores por suas cores, por seu simbolismo ou pela mensagem que queremos expressar ao presenteado. Cabe tanto em um só buquê, não é mesmo?

Flores por aí
Ou seja, vivemos rodeados de flores… Pequenas ou chamativas, sozinhas ou em grupos, nos vasos ou jardins. Elas estão por todas as partes, em todas as cores, de diferentes origens, com vários significados. E cabe a nós parar um segundo, prestar atenção e deixar que sua alegria invada nossos dias.

Foi o que fez a médica cardiologista, fotógrafa e escritora Floriana Bertini, a italiana que tem flores até no nome. Nessa conversa com Torrego ela explica que tudo começou sem querer, em mais um dia corrido no hospital em que trabalha. Entre uma pausa e outra, percebeu a presença leve e encantadora das flores que a rodeavam. E por que não perder (ou seria ganhar?) uns segundinhos admirando e se renovando com seus encantos para seguir a rotina de um jeito mais leve?

O passo seguinte foi começar a fotografar e compartilhar nas redes sociais essas belezas capazes de arrancar sorrisos por onde passam. Assim nasceu o projeto “As flores no caminho”. “Ter um tesouro só pra gente é bom, mas compartilhar valoriza esse tesouro”, diz a inspiradora Floriana.

Desafio lançado e colocado em prática: encontrar, registrar e compartilhar as flores que passam pelo seu caminho. Usando seu celular, sem sair da rotina. E como sempre gostou de escrever, as imagens vem sempre acompanhadas de reflexões. Uma forma de mostrar que o belo e simples estão ao nosso redor, bem ao nosso alcance. Basta prestar atenção e receber esse presente que a natureza nos dá de graça.

As imagens já viraram instagram (@florianabertini), exposição e agora podem te acompanhar em belos lenços, uma extensão do projeto. Por que lenços? Porque são peças fluidas e leves como as flores. Mais um toque de sensibilidade e arte das flores de Floriana em nossas vidas.

Além das flores
O olhar de Floriana vai além das fotos e também ganha forma em belíssimas e inspiradoras palavras. Essa faceta é vivida em livros infantis que escreve com toda a sensibilidade de uma flor.”Amor de mãe” conta a história da mãe sapa e sua relação de amor, cumplicidade e proteção em relação ao filho sapinho. Dessa forma linda e genuína define essa relação:

“As mamães são mesmo assim:
Amor sem medo, amor sem fim…
E a cada dia
Entregam a vida por sua cria
Com ternura infinita e imensa alegria”.

Mãe, médica, fotógrafa, escritora. Mas, acima de tudo, dona de um olhar sensível, puro e generoso em relação ao próximo e pelo mundo.

Sobre Flora do Brasil 2020
De acordo com informações disponibilizadas no site http://floradobrasil.jbrj.gov.br, “o projeto Flora do Brasil 2020 é parte integrante do Programa Reflora e está sendo realizado com o apoio do Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Conta no momento com quase 700 pesquisadores trabalhando em rede para a elaboração das monografias. Os resultados das buscas na página também incluem informações sobre as espécies ameaçadas da nossa flora (devido à cooperação com o Centro Nacional de Conservação da Flora) e possibilitam acesso ao Index Herbariorum (devido à cooperação do The New York Botanical Garden). Além dessas informações, os usuários também podem ter acesso a imagens de exsicatas, inclusive de tipos nomenclaturais, provenientes tanto do Herbário Virtual Reflora, como do INCT Herbário Virtual da Flora e dos Fungos; bem como a imagens de plantas vivas e de ilustrações científicas, sendo todas as imagens incluídas pelos especialistas de cada grupo.”

Deixe uma resposta