A década de 1970 introduziu ideias de moda e tendências que acabaram se tornando elementos básicos de guarda-roupa. Vestidos descompactados, como os desenhos de Halston quem criou quase todos os vestidos populares vistos nas pistas de dança. Seus desenhos eram perfeitos para dançar por causa de sua construção drapeada e sem fluxo, sem botões ou zíperes, sem mencionar as populares calças de elefante.

O estilo boêmio não era para todos, os designers que se tornaram ícones influentes da indústria da moda, que deixaram uma marca importante na história da moda do século XX.
Os estilos do início dos anos 70 continuaram, em alguns casos, exageradamente. Em 1975, as cores diminuíram, a tendência para os tons terrosos começou, com a ascensão marrom, cáqui e verde-oliva, as roupas estavam definitivamente se soltando.

No final dos anos 70, as roupas retornavam a um território mais clássico, com ternos sob medida justamente neste momento em que Telma Monteiro entra com seu estilo único, como um pré-anúncio dos anos 80. Preto, branco, vermelho e Cinza juntou os tons de terra ainda popular na paleta de cores, vale ressaltar que a nossa amada Claudinha foi uma parte importante desse processo evolutivo e seletivo de Telma que foi seu mentor, ao longo dos anos Telma escolheu a Claudia como um das suas principais modelos e foi precisamente ela quem a levou ao mundo da produção de moda.

O nome Telma Monteiro tem peso na história da moda em todo o Brasil, seu estilo estava tomando um conceito mais elegante, gala, vestidos de noiva, onde bordados a mão eram e são até hoje sem dúvida elementos exemplares nos desings da estilista, Telma continua trabalhando, mas é muito mais seletiva em seus projetos, cada vestido pode levar dias, semanas ou meses, dependendo do projeto, por isso, se você quiser um vestido personalizado, especialmente pensado em você, em seu corpo e evento, pegue a senha e faça a fila que são muitos os interessados poucos os elegidos.

Deixe uma resposta