“Cair nos braços de Morfeu”. Quem nunca ouviu ou falou isso para revelar a vontade de dormir bem e profundamente? A expressão é mais uma herança da mitologia grega que trazemos até os dias de hoje. Esperar por Morfeu é um desejo cada vez mais presente no nosso dia a dia, quando noites tranquilas de sono estão escassas, difíceis de encontrar.

E você dorme bem? Dorme muito? Mal dorme? Pois esse é o foco no papo de hoje do #Einsights. O Torrego e a psicanalista Diana Dhare falaram muito sobre o sono e sua importância – e a falta dele e os prejuízos na nossa vida.

A gente sabe que dormir não só é gostoso demais, como é super importante – tão importante que precisamos fazer diariamente e chegamos a passar um terço de nossas vidas dormindo. São essas horas que garantem propriedades revigorantes que renovam nosso organismo para encarar o dia seguinte, além de trazer inúmeros benefícios para a nossa saúde. Quem dorme mais, ri mais porque o humor melhor, relaxa mais porque reduz o estresse, lembra mais porque ativa a memória, trabalha melhor porque estimula o raciocínio, rejuvenesce porque deixa a pele boa, tem mais saúde ajuda a cuidar do coração e fortalece o sistema imunológico.

E quem dorme mais, também vive mais! Segundo a Diana, “se você dorme menos de seis horas por dia, você tem quatro vezes mais chances de antecipar a morte”. É claro que esse tempo varia de pessoa para pessoa. Um idoso, por exemplo, precisa de menos horas de sono, já os jovens necessitam de mais que isso. Também varia de acordo com o organismo de cada um. De qualquer jeito, podemos considerar que são seis horas como a média necessária. E é impressionante esse dado, não é mesmo? Só assim a gente tem a real dimensão da importância das noites de sono. O problema é que está cada vez mais comum acontecer justamente o contrário: noites conturbadas, agitadas e bem longe de serem relaxantes e recuperadoras.

Outro dado impressionante que a Diana trouxe para a conversa é que 45% da população mundial tem insônia. Ou seja, quase metade das pessoas de todo o planeta têm problemas de sono. E isso inclui desde a incapacidade de adormecer até o fato de acordar e dormir várias vezes ao longo da noite ou acordar no meio da madrugada e não conseguir dormir de novo.

E o que leva a isso? São muitas as razões. Estresse (e todas as preocupações e ansiedades associadas à vida corrida) é a principal delas. Outra causa muito comum é o uso indiscriminado de celular e televisão antes de dormir. Isso porque a luz emitida por esses equipamentos confunde o organismo, que é estimulado pela iluminação e não identifica que é hora de desligar. E aí não faz o que precisa fazer, que é produzir a melatonina, substância que temos no corpo responsável pelo adormecer. Mas também tem também outros fatores que atrapalham as noites de descanso, como o uso excessivo de determinadas medicações, o consumo exagerado de café e/ou bebidas com cafeína, o cigarro, doenças.

O primeiro passo para tentar reverter o caso é avaliar o caso. Nessas avaliações, tem que levar em consideração três aspectos que definem o sono: duração, continuidade e o quão profundo é. Você dorme muito ou pouco? Vai a noite inteira ou acorda várias vezes? Tem sono leve ou vai como uma pedra? Essas respostas são seu ponto de partida nesse avaliação e podem ser a chave para ajudar a resolver o problema.

Além disso, cada um se conhece bem o suficiente para essa avaliação inicial. Sabemos se é algo temporário ou não, se o celular pode realmente ser o fator crítico, se o estresse anda maior do que o normal… Detectando isso, tente mudar seus hábitos e espere o sono chegar.

Uma dica da Diana nessa hora é a hipnose que você mesmo pode fazer na sua casa. Em um quarto escuro, sozinho, fale em voz alta e tranquila: hoje eu terei sono profundo e reparador; e amanhã vou acordar muito bem disposto. Repita isso três vezes no final da tarde e mais três vezes à noite. O sono será muito mais tranquilo, ela garante. Afinal, como reforça a psicanalista, “Nós somos tudo aquilo o que pensamos”. Mas lembre de não ligar a TV, claro.

Agora, se mesmo assim o problema seguir de uma maneira crônica, é importante procurar um médico. Existem especialistas no assunto que fazem exames específicos e conseguem detectar a causa do problema e orientar a melhor forma de combater.

Morfeu
Mas e o que Morfeu tem a ver com tudo isso, afinal? Como dissemos, é uma expressão bem antiga, da mitologia grega.

O nome Morfeu, em grego, significa “a forma” e assim ele era chamado pela sua capacidade de assumir qualquer forma humana e aparecer nos sonhos das pessoas. Como tinha grandes asas, ia para todas as partes do planeta num voo tranquilo e gostoso. Não demorou para associarem sua presença nos sonhos a sonos relaxantes e bons sonhos… aí uma coisa à outra e passaram a acreditar nesses poderes e efeitos positivos dos braços de Morfeu.

Mas ao contrário do que muitos dizem, Morfeu é o deus dos sonhos. Seu pai, hipnosis, esse sim era o deus do sono.

E mais uma curiosidade: é também desse deus grego que que veio o nome de um dos analgésicos mais poderosos e conhecidos: a morfina, conhecida não só pelo lado medicinal como pelo efeito sonolento que provoca na pessoa.

Boa noite
Falando em sonho, a Diana nos revelou mais uma que não imaginávamos: para a psicanálise, nós sonhamos para dormir (e não dormimos para sonhar, como seria o mais lógico. Linda a mensagem para fazer pensar e cair num sono profundo e delicioso.

E esperamos que você tenha bons sonhos essa noite…

Deixe uma resposta