Nesse papo entre amigos, trouxemos um assunto polêmico, mas que infelizmente faz parte da vida de todos nós: intrigas entre amigos. Intrigas, inclusive, que podem acabar com amizades de anos, causar decepção, desilusão… Afinal, podemos confiar em qualquer um? Quem é amigo de verdade? Como reagir a intrigas e fofocas feitas por pessoas que consideramos nossas amigas? Cada um tem uma opinião e uma experiência, e compartilhamos tudo nessa edição de #semfiltro com Torrego e amigos.

E já que o assunto é amizade, fomos atrás de algumas informações interessantes sobre o tema. Confira.

Homens e mulheres podem ser amigos?
Há quem diga que sim, há quem diga que não. Cada um tem uma experiência e uma história para contar. Independentemente do histórico de cada um, cientistas da Universidade do Wisconsin (Estados Unidos) fez um estudo com 88 duplas de sexo oposto e concluíram que a amizade entre homens e mulheres existe sim, mas não está livre de momentos de sedução e tensão sexual. Por outro lado, a tendência é que ela desapareça com o passar dos anos.

Amigos nos fazem pessoas melhores?
Aparentemente, sim. Um estudo da Universidade da Virginia, nos Estados Unidos, que analisou as tomografias de 22 pessoas, mostrou que a atividade cerebral de uma alguém quando está em perigo é praticamente idêntica à atividade que demonstra quando é seu amigo quem corre perigo. Isso demonstra um sentimento muito importante no ser humano: empatia. “Nosso senso do ‘eu’ inclui as pessoas próximas”, explica o psicólogo James Coan, diretor do estudo. “As pessoas que são chegadas se convertem em parte de nós, não no sentido poético ou metafórico, mas no sentido real. Literalmente, nos sentimos ameaçados quando nossos amigos estão ameaçados.”

Conseguimos ter muitos amigos?
Até outro dia achávamos que tínhamos poucos a quem chamar de amigos, aqueles com quem mantínhamos contato com frequência. Inclusive, lá em 1993, o antropólogo Robin Dunbar, da Universidade Oxford, na Inglaterra, chegou à conclusão de que cada indivíduo só conseguiria manter até o máximo de 150 relações significativas ao mesmo tempo. A verdade é que agora, com as mídias sociais, descobrimos que podemos ter mais de 200 amigos. Aquele amigo de escola que mudou de cidade ou o vizinho da infância que nunca mais deu notícias? Em outros tempos ficariam guardados apenas na lembrança, mas hoje em dia estão guardados também nas nossas páginas online, podemos trocar mensagens, nos atualizar da vida deles e, no fim das contas, continuar próximos e chamando de amigo. Se são amigos de fato, isso não podemos afirmar, afinal varia de acordo com cada caso. Mas sabemos que pelo menos não perdemos contato e nos aproximamos de quem, antes, poderia se perder no tempo.

Em tempo: Will Reader, doutor em psicologia pela Universidade Sheffield Hallam, no Reino Unido, afirma que a maioria dos adultos só tem dois melhores amigos.

Amigos no trabalho, isso existe?
Vida social e vida profissional conseguem andar juntas? Podem, sim. Manter boas relações no trabalho, inclusive, ajuda a deixar o dia-a-dia mais leve, fácil e até aumenta a criatividade e produtividade. Mas é preciso ficar atento para não confundir e saber separar bem as coisas quando for necessário. Para começar, não devemos esperar que a amizade traga para você ou ofereça a terceiros benefícios – lembre-se que são as habilidades e profissionalismo que realmente contam no ambiente de trabalho. Também tenha em mente que ali envolve fatores como dinheiros, promoção… E também pessoas com valores diferentes dos seus e, dependendo da situação a que forem expostas, podem colocar as oportunidades acima da amizade e, assim, te decepcionar.

Amor e amizades, como conciliar?
Na prática, sabemos que muitas vezes um novo amor na vida de quem convivemos ou na nossa própria vida pode afetar a amizade. O antropólogo Robin Dunbar estudou o assunto e concluiu que quando uma pessoa nova entra em sua vida, desloca outras pessoas de seu círculo mais próximo, normalmente um familiar e um amigo. Um efeito escravos de jó, sabe? Segundo o pesquisador, “o amor toma tempo que seria dos amigos e isso deteriora as amizades, uma vez que quando você não vê as pessoas, o vínculo afetivo se enfraquece rapidamente.”

Amizade entre mulheres é diferente de amizade entre homens?
Segundo alguns estudos, sim. Para mulheres, manter amizades é mais importante que para os homens. Um estudo realizado em 2012 pelo Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da Universidade de Londres, mostra que os homens precisam mais dos laços familiares – e por isso o casamento têm efeito benéfico para a saúde mental deles. Entre as mulheres, ele tem efeito mais negativo, porque acarreta em falta de tempo para encontrar e cuidar dos amigos. O que, para elas, é de extrema importância. Segundo o estudo, as amizades são importantes ferramentas femininas para combater o estresse. Manter essas relações provoca a liberação de oxitocina, hormônio que reduz os níveis de tensãso e tem um efeito calmante.

Afinal, amizade faz bem à saúde?
SIM, é a resposta. Assim mesmo, em letras garrafais. Amigos ajudam a baixar a tensão, reduzir o estresse, aumenta a imunidade e a viver mais e por mais tempo. Além de proporcionar bons momentos, darem suporte, ajudam a passar por situações difíceis, dão prazer e felicidade em nossos dias.

E, por curiosidade, animais também têm amigos?
Depende. Estudos mostram que chimpanzés, babuínos, cavalos, hienas, elefantes, morcegos e golfinhos podem, sim, formar vínculos vitalícios com seres que não são da família. Inclusive, no Quênia foi documentada uma amizade entre uma tartaruga centenária e um hipopótamo jovem. Curioso, não?

Deixe uma resposta